Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arruda Woman

Nos primórdios dos blogs fiz um que se chamava - Mulher Arrudense. Decidi aproveitar essa ideia antiga e fazê-la renascer agora num formato mais actualizado. Arruda Woman é agora uma mulher diferente.

Nos primórdios dos blogs fiz um que se chamava - Mulher Arrudense. Decidi aproveitar essa ideia antiga e fazê-la renascer agora num formato mais actualizado. Arruda Woman é agora uma mulher diferente.

Arruda Woman

01
Jun23

E tu, sem profissão, quem és?

Cristina

F0603016-1431-4179-BC71-FB047E681D89.jpeg


Olá,

já reparou que, por vezes, ao identificar uma pessoa para que seja reconhecida refere - a Catarina padeira, o Manel Francisco construtor, o Xavier médico.

A pessoa e a profissão parece que se tornam uma só, como aqueles produtos em que uma marca passa a designar um produto como - Pladur, Kispo, Gilette, e outras. 

Mas as pessoas não são produtos. E por vezes continuam a fazer algo que não gostam, porque se não tiverem aquilo afinal o que são?

Um lugar na sociedade ganha-se com a profissão que se tem.

Eu por exemplo, sentia-me mais integrada quando trabalhava (embora insatisfeita, a vários níveis) do que a ser mãe a tempo inteiro, sentia-me mais normal, menos ovelha negra fora do rebanho.

Depois há os estereótipos - um médico é um médico, e analisando friamente tem mais peso na sociedade que um senhor das obras. O meu filho no outro dia dizia-me que o médico teve de estudar muitas horas e o senhor das obras não. O que é estranho é que para exercer a sua profissão o médico precisou do trabalho do senhor das obras, e se este não faz bem o seu trabalho pode dar me#d@ da grossa - é giro não é?

Há vários estudos que referem que os miúdos estão mais irrequietos e necessitam de mais comprimidos para acalmar, ao mesmo tempo que as mães têm zero tempo, mas ser mãe a tempo inteiro ou part time não é relevante na sociedade, parece que falta sempre algo.

E os reformados que dedicaram 100% do seu tempo à carreira, quando termina o que são afinal? Vão ter que passar mais tempo com uma pessoa que escolheram há muitos anos atrás, a qual nunca conheceram bem, afinal estavam dedicados à carreira, que vida vão viver agora, sem profissão?

Por trás de uma profissão há muito a analisar, mas não há tempo para isso, afinal a vida passa a correr e há muito para fazer, não é?

A vida, o tempo e as decisões ... 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub